Pesquisar este blog

10 de out de 2013

McDonald's - Egg Breakfast

Eu postei, há 5 anos, que o McDonald's brasileiro estava começando um menu de café da manhã. Na época eles tinham uns sanduíches feitos de biscuit, mas pelo jeito não pegou, e então eles ficaram só com o misto quente e o pão na chapa. Daí hoje eu sou avisado, no meio do caminho pro trabalho, que meu primeiro aluno iria se atrasar, e parei pra comer um pão de queijo qualquer no McDonald's. Quando eu vejo o quê? Novas opções pro café da manhã!

São 3 novos sanduíches: com presunto, com bacon e com peito de peru (adoro quem acha que peito de peru é super leve e ignora o fato de ser a maior concentração de "qualquer resto de carne + puro sódio" do mundo).
Assim como os antigos, os novos têm ovo no recheio. Peguei o de presunto porque me lembra as manhãs de sábado da minha infância, quando meu pai fazia lanche com presunto, queijo e ovo s2

 
Olha, é bem recheado, viu? Eu já comi o tostado com presunto e queijo deles e achei MEH, mas esse tá melhor, bem substancial. O negativo... bom, tá na cara né? Ô Ronald, esse pão foi assado, tipo, em 1996?
De toda forma, o pão não estava ruim ou duro. Só murchinho, mas nada borrachudo.
É uma boa ideia pro café, viu? Se você, obviamente, não souber fritar um ovo e esquentar um pão no micro-ondas. 

Egg Breakfast
R$7,50
Nos McDonald's de todo o Brasil.

Photobucket



3 de out de 2013

Bonheur de Pains - Croissant

Ah, a gourmetização de tudo. Antes as padarias eram pra comprar pães e doces. Então, começaram a servir refeições. Não muito depois elas se tornaram megastores pra quem procura todo tipo de coisa gastronômica, sofisticada e extremamente cara, e.. ah, tem uns pães também, de qualidade medíocre (como é o exemplo da deplorável Bella Paulista). E então chegamos onde estamos hoje, na época das padarias onde você não encontra nada além de...? Pães! E Doces! Mas não é mais padaria, é Boulangerie.


E a Boulangerie mais perto da minha casa fica a uma distância confortavelmente caminhável, ali na Alameda Santos, do lado da Avenida Brigadeiro Luís Antonio. Chama-se Bonheur de Pains (algo como "Pão Felicidade" em francês - se eu estiver errado me corrijam), e lá dentro você encontra vários tipos de francesices da panificação e confeitaria: pain au chocolat, tarte tatin, e, óbvio: o croissant. Hoje eu comprei um sem recheio pro café da manhã.

"Sem recheio?! Alôca, né Clayton?"
É, amigo. Sem recheio. O croissant geralmente é sem recheio. Sabe porque a maioria dos que a gente encontra por aqui tem queijo, pesunto, frango com mingau de maizena e até sashimi dentro? Porque a massa do croissant brasileiro é RUIM. Não é croissant de verdade. Galera faz uma massa de pão fininha e seca, enrola e assa com recheio, pra ficar engolível depois de pronto. Ou seja? Por isso mesmo que eu quis avaliar o sem recheio do lugar, pra ver se eles podem ter toda essa pompa metida a rococó.


Infelizmente não estava quentinho, mas estava fresco e macio. Tem um sabor notável de manteiga, que inclusive estava no limite aceitável de gordura. Dispensa qualquer recheio, e me caiu muito bem pro café da manhã. Só o fundo que estava um pouco queimadinho.

Mas eu recomendo. O croissant. Pra você comprar lá e ir comer em outro lugar.
Por quê? Porque o gênio que projetou o espaço da boulangerie colocou o forno praticamente dentro do salão com as mesas, tendo nada além de um vidro separando um ambiente do outro. Eu já entrei lá três vezes, e nas três o espaço estava abafado (oi, funcionários, conheçam a Insalubridade, minha amiga que deveria estar no holerite de vocês). Daqui pra frente vai esquentar bastante. Imagino quantos clientes eles vão deixar de ter. De resto, vale a pena economizar alguns salários para experimentar uma coisa ou outra entre os pães (porque os doces eu já experimentei, e são BEM qualquer coisa).

Croissant
R$4,90
Bonheur de Pains
Alameda Santos, 551 - São Paulo - SP
Photobucket

PS: Concordou comigo no que eu disse sobre a gourmetização de tudo? Dá uma olhada no tumblr Gourmetização da Vida! Tem até cupcake do Romero Britto, olha só.

6 de jun de 2013

Gioconda Helenicá - Pizza com alma grega

A singular melhor coisa da cidade de São Paulo é a diversidade da gastronomia. Todo mundo sabe que você pode encontrar comida de todo o tipo, pra todo gosto, e - o melhor - de todo lugar. A singular pior coisa da cidade de São Paulo é a diversidade da gastronomia. Poucos sabem que você encontra muita coisa pretensiosa, falsa, e - fingindo ser - de todo lugar.

Graças a Deus o restaurante desta resenha está no primeiro caso, não no segundo. A pizzaria da região da Berrini, ostentada com bandeira da Grécia e balões com as cores da mesma, afirma servir pizzas com "alma grega". Almocei lá hoje, bem depois de ouvir um prato quebrar, e bem antes de ter uma conversa deliciosa com a chef do lugar.

Eles trabalham com o sistema de rodízio, o que foi bem legal pra eu dar uma zapeada pelo cardápio. Infelizmente eu almocei lá depois do maior movimento (o que eu AMO em todos os lugares, por ter um pouco de paz, mas num restaurante grego o barulho faz falta). Enfim, resenha de três das pizzas que eu comi:

1. Chipre: Calabresa levemente apimentada, alcaparras, cebola picada, muçarela, provolone, parmesão e manjericão.
Pode parecer muita coisa, mas é na quantidade certa de cada. Não tem queijo demais, e acredite: isso é bom! A pimenta da calabresa junto com a alcaparra, inclusive, é a melhor parte. Essa, segundo a chef, é a pizza que mais faz sucesso na casa. Foi a minha favorita, inclusive!

2. Giorgios: Muçarela, cogumelos, azeitonas e parmesão.
Essa tem mais queijo, olha só! Não foi a que mais me chamou a atenção. Sabor bem suave, deve agradar bastante as crianças.
3. Kastellarizo: Presunto, cogumelos, azeitonas, muçarela e parmesão.
Parecida com a anterior, mas compresunto. O que faz toda a diferença. Adiciona um saborzinho defumado que faltava. essa tem mais muçarela que a outra, e dá pra notar que é queijo de qualidade! Curti, hein?

Sobre a massa: é fininha, do jeito grego, aliás. Eu conversei bastante com a chef, Helena, e ela me disse que é a maior propriedade grega das pizzas da casa. Tipo a massa dos gyros - coisa mais grega do mundo.

A chef disse também que antes havia mais greguices sobre a massa (queijo fetta, iogurte, lula, etc), mas não agradou tanto o paladar do brasileiro. Brasileiro quer bastante queijo, cababresa e frango com catupiry, então o cardápio precisou se adaptar. Ok, você deve estar se perguntando se eu não vou ser purista assim como fui com a caipirinha. Olha, eu até seria se eu tivesse lido em um letreiro "Coma aqui a autêntica pizza grega". Não é o caso. Helena deixa bem claro no slogan da casa: pizza com ALMA GREGA. Mas se é pra brasileiro comer, que seja pro gosto do brasileiro. Você se atreveria a tentar vender picanha na Índia?

Enfim. Recomendo bastante, inclusive vai ter todo um evento legal no dia dos namorados lá (pra vocês, que têm namorados - mimimi). Mas vale a pena ir a qualquer dia ou noite, mesmo. Principalmente às quintas, sextas e sábados, que é quando tem quebra de pratos garantida!
Photobucket

3 de jun de 2013

McDonald's - Quarterão Dijon

Vocês lembram que o McDonald's começou, há quatro anos, a promoção Pequenos Preços? De lá pra cá, foram alguns sanduíches novos: uns fiascos, como o Capricho Italiano, uns meio NHÉ, como o Gran Verano, e umas maravilhas, como o Chicken Barbecue. E a cada temporada havia um sanduíche novo, e um clássico (Cheddar, Quarterão, BigMac) na faixa de R$5,00.

O tempo passou, eles não querem mais dar tiro no escuro, e o que era uma novidade + um clássico mais barato virou uma coisa só: um sanduíche que sempre existiu, com um ingrediente a mais. E o que era cinco reais, virou seis. Ah, essa Dilma, viu?

Então o McDonald's acaba de lançar o Quarterão Dijon, continuando também a política de enfiar mostarda dijon goela abaixo dos brasileiros. Vi anúncio, chorei pelo Triplo Cheeseburger ter saído do menu (não fiz resenha, mas saibam: foi o maior acerto do McDonald's Brasil desde 1979), e experimentei ontem.

Quarterão Dijon

Mesma carne do Quarterão (1/4 de libra, pouco mais de 100g), queijo e molho de mostarda dijon, no pão com gergelim. 

Bom, eu já sabia que é bom por ser uma versão do meu sanduíche favorito do menu do M amarelo. Já tinha experimentado o Angus Dijon e tinha achado bem qualquer coisa (DUAS carnes enormes e UMA fatia de queijo? Não, obrigado). O molho é o mesmo, mas olha na foto, quanto. E quão líquido. E sabor fraco de mostarda, seja lá o quão sofisticada ela for (como se mostarda marrom fosse grande coisa). Ou seja: é bom, vale experimentar, mas vai pra categoria NHÉ na lista dos sasonais do McDonald's.

Quanto? R$6,00 nos McDonald's do Brasil inteiro - acho.






(QUE-SAU-DA-DE de escrever sobre o McDonald's! Ainda mais de fazer resenhas negativas deles! s2s2s2)

23 de mai de 2013

Casa Garcia

E se eu te contasse que existe um lugar que vende sanduíches baratos ali na Região da Paulista-Consolação (isso mesmo, perto da Bella Bosta Paulista)?

Pois levante suas mãos para o céu (ou pro seu livro do Darwin, sem preconceito!) e agradeça, pois o lugar existe. Fica ali na Baixa Augusta, e é uma mercearia (que galera adora chamar de "empório"). O lugar não é exatamente um restaurante - nada de mesas ou cadeiras. O negócio deles é frios, queijos, conservas, etc. Só que eles também fazem sanduíches. E é aí que eles ganham a sua confiança. Você escolhe o que quer dentro do seu lanche nessa tabela:


 (Se quiser mais de um recheio, o sanduíche sai pelo preço do mais caro)

Daí tipo: Vi pastrami escrito, já sabia que era isso que eu queria. Só que, se eu já sou indeciso no McDonald's, imagina na Disneylândia de queijos que é esse cardápio? Segui a dica que foi me dada e pedi uma sugestão ao rapaz que faz os sanduíches. Ele disse que queijo Gouda vai muito bem com pastrami. Veremos.

Sanduíche de pastrami e queijo gouda

 Primeiro, caso a foto acima não deixe isso claro, olha quanto recheio tem o bagulho. Segundo, o frescor da coisa. Se o Hocca Bar deixa tolenadas de mortadela já cortadas em fatias (cada vez mais grossas), aqui não. O pastrami e o queijo foram fatiados na hora. E por último mas não menos importante: cacete, que lanche bom! Infelizmente o pastrami (embutido de carne bovina defumada) não é tão popular no Brasil, mas eu fortemente aconselho-vos a experimentar pelo menos alguns quilos. E com queijo gouda, que tem um toque adocicado e picante, fica incrível. 

Pela confiança que o rapaz do balcão demonstrou ao me sugerir o queijo, eu só posso tirar uma conclusão: eles sabem o que estão fazendo. Entendem da coisa. Então, se você estiver na dúvida, pode confiar no gosto dos caras. Aposto o meu cabelo.

Quanto? R$8,00
Onde? Casa Garcia. Rua Luís Coelho, 128 (entre a Augusta e a Frei Caneca - sem piadas homofóbicas desta vez, juro!). Tel. (11) 3805-0457

Photobucket

Eu peguei a dica desse lugar no ótimo Rolet 20 Conto. Simplesmente leiam!


 

16 de mai de 2013

Sodiê Doces - Bolo Choc Rosa

"Sodiê Doces". Eu notei, não faz tempo, que eu estava vendo lugares com esse nome em todo o canto. No final das contas, é uma franquia de docerias que tem se espalhado pelo país mais do que piadas sobre a eliminação do Corinthians da Libertadores no seu Facebook hoje. No final das contas, a marca tem dezenas de casas no Brasil. O carro chefe é bolo recheado, vendido em fatias. Yep, concorrente direta da Amor aos Pedaços - porém boa, esperamos.

Mesmo sabendo que eu já tinha comido bolo da Sodiê duas vezes na vida sem nem saber o nome do lugar  (ah, que vergonha do recesso do blog), fui em uma loja essa semana com o único objetivo de fazer resenha. Logo na entrada eu vi que havia um bolo com preço promocional esse mês: Choc Rosa. OE, como eu ando bem fã de morango (Deus abençoe o inverno), fui com tudo nele. Só tive um pouco de receio de que o recheio rosa não tivesse sabor de morango, como acontece com a maioria dos bichos-de-pé por aí. Mas vamos lá, pro bolo Trakinas:


O bolo, como nota-se na foto, tem dois recheios. Aliás, tem mais recheio do que massa de bolo. Primeiro o de chocolate, que tem um sabor bem suave de chocolate, e bem intenso de creme de leite (Rafz, nem sonhe). Excelente e com consistência de ganache. Só deveria ser um tanto mais amargo, o que combinaria melhor com o outro recheio, o rosa. Este é sim de morango (alô alô, graças a Deus!), e é uma delícia sem fim. Mas é puramente industrializado, como deixa claro o pôster da Nestlé na loja. E é aí que a coisa pode ficar zuada.

Por enquanto, os bolos da Sodiê têm um gostinho e uma cara caseiros, mas a expansão da rede de lojas e a necessidade de padronização quando isso acontece  podem nos levar a, no futuro, comer bolo com gosto de máquina. Não seria legal se a rede de docerias pudesse nos garantir que nunca vai virar a tristeza que a Amor aos Pedaços virou?

Onde? Em uma das lojas Sodiê Doces. Espalhadas pelo Brasil. O bolo da foto eu comi na unidade de Carapicuíba.
Quanto? R$31,90 o quilo, mas só por ser o bolo promocional deste mês. Os outros vão de 35 a 40 e poucos reais o quilo. O pedaço da foto, que tinha 140 gramas, custou R$4,47. Justíssimo, né?

Photobucket

14 de mai de 2013

Comida de rua: Tapioca

Amo: comida de rua. Porra, eu tô em São Paulo, e o que tem de barraquinhas e carrinhos por aqui não é brincadeira. E meu, não negue: comida de rua é excelente. Você fica livre dos preços altos, é quase sempre bem atendido, é rápido, tem gosto de feito-em-casa, e o melhor: nenhuma barraquinha se chama Bella Merda Nenhuma, e nada no menu se chama Cacete a Quatro Gourmet.

Daí vai ser uma série de posts aqui no blog (e vocês vão obviamente me ajudar, sugerindo lá no facebook do blog). Inclusive, se alguém souber me dizer se os carrinhos de chineses que fazem yakissoba na Praça da República ainda existem, eu vou ficar muito feliz.

E começamos com um clássico das ruas brasileiras que ganhou sua versão metida a besta sofisticada nos shoppings: Tapioca!


Ontem eu estava chegando (sem café da manhã) à FGV pra dar uma aula, e não tive como não notar a estação de tapioca montada na frente da porta da universidade. A moça super simpática me disse - no meio de uma conversa sobre futebol com um senhor que varria a rua -  que ainda podia fazer pra mim um de queijo, ou presunto e queijo. E, bom, se o nordeste inteiro come tapioca no café da manhã, quem sou eu pra rejeitar?
 

É grandinha, obviamente feita na hora, bem recheada, e ó: se você quiser ela dá um toque final de margarina por fora, que tosta a tapioca e dá esse douradinho que, puta merda! Ela também oferece outros sabores (só margarina, leite condensado, chocolate) e fica lá quase a manhã inteira. De fato uma ideia excelente pro café da manhã. Só estava com um leve gostinho de queimado por fora. Mas acredito que eu tive um certo azar. Sem contar que, na boa? Achei um charme.

Quanto? R$3,00
Onde? Em frente à Fundação Getúlio Vargas. Rua Itapeva, 432 - Bela Vista, São Paulo

Photobucket




16 de abr de 2013

Polenguinho Pizza


Pra falar a verdade eu não estava tão animado a voltar a fazer resenhas de produtos industrializados, mas - além do blog ser lido por gente do país todo (aliás, aguardem novidades sobre isso!) - sexta-feira eu comi um negócio que me fez mudar de ideia. 

Eu dou uma aula particular no meio da tarde, e eu sempre chego adiantado (nunca contem com o trânsito de São Paulo, NUNCA!). Daí no primeiro dia eu dei uma volta na lojinha junto à unidade de envasamento da Petrópolis (marca de água mineral). Como no dia eu nem tinha almoçado, comprei uma caixa de Polenguinho pra matar a fome e passar o tempo - olá, obesidade mórbida! Não teve como não notar que a loja oferecia vários sabores do queijo-lanche, então cada dia eu comi um diferente: gorgonzola, cheddar, e até requeijão! E fui deixando por último o de pizza, porque... nah, coisas sabor pizza são sempre aquilo: gosto de tomate + orégano + chulé. Mas a vez dele chegou, e eu me surpreendi.

Polenguinho sabor Pizza

 

Quando você abre a embalagem individual, já sente pelo aroma que de tomate e chulé isso não tem nada. Então você morde. E meu-deus-do-céu. Que delícia. Basicamente é sabor de queijo muçarela com azeite, e um toque leve de orégano, mas bem leve mesmo (como deve ser, OUVIRAM, EMPRESAS DE SALGADINHOS?). Eu juro, realmente tem sabor de pizza. O melhor? Nada de tomate. Não, eu não acho que é por causa dos preços altos do vegetal. É puro bom senso, mesmo. Recomendo fortemente, pra consumir como lanche, pra colocar no seu sanduíche, e pra servir na sua wine tasting pretensiosa. Vocês simplesmente TÊM que experimentar. Basta ver quantos ketchups ele ganhou.

Quanto? R$3,65 (o preço deve variar dependendo do lugar)

Photobucket

Não, não me fez **** enquanto eu comia. Mas quase (afinal, é queijo!)


11 de abr de 2013

Starbucks - Cheese cake

E a saga do cheese cake não para! Quase 5 anos se passaram desde que eu comecei o blog, e ainda é difícil encontrar um cheese cake de verdade por aqui. Já teve o copinho de cheese cake da Pain et Chocolat, o com doce de leite da Havanna, e a pior coisa já vendida comercialmente de todos os tempos (depois da calça Saruel).

Daí que outra coisa que tem mudado nesses 5 anos é o Starbucks. MANO. Tem um em cada esquina. Pra vocês terem ideia do que eu estou falando, em absolutamente qualquer lugar que você estiver na Avenida Paulista você está a uma distância confortavelmente caminhavel de alguma loja. E sempre tem bastante gente. Isso é mais que o McDonald's. É assustador. O que me deixa feliz é saber que mesmo assim eles não param de se esforçar pra nos agradar, e estão sempre cheios de novidade no cardápio, tanto o de comidas quanto o de bebidas. Apesar de que tem coisa que não muda: o Frapuccino continua uma porcaria.

Voltando às novidades no menu de comestíveis: tem até, vejam só, o cheese cake! Faz um tempinho já que eu o vi na prateleira, mas esperei uma boa oportunidade para experimentá-lo (a.k.a. "eu ter dinheiro para"). Acreditei que o fato de que abriu uma loja da rede no shopping novo de São Bernardo do Campo (!!!) poderia ser uma boa desculpa, e fui com tudo.

Cheese cake de frutas vermelhas

Sem cobertura. Como nota-se, o sabor das frutas vermelhas está (aparentemente) junto ao recheio.

Vamos começar falando mal? Estava com gosto de geladeira, nas bordas. Meio compreensível, já que ficam as fatias dispostas para servir, e não uma torta inteira. Além disso, eu não senti sabor nenhum de frutas vermelhas, o que pode decepcionar muita gente... (agora vamos terminar falando bem?), mas não a mim! PUTA MERDA, QUE COISA BOA. É o único que realmente tem cara do tipo mais clássico, o New York style: massa amanteigada e esfarelenta, com um recheio de cream cheese bastante rico, porém leve (assim como a Rachel descreve). E como o que eu gosto mesmo é do recheio e nunca pude me importar menos com caldas de frutas vermelhas ou goiabada (chega de goiabada no cheese cake, gente. CHEGA!), pra mim este está do jeito que deveria ser. Só não leva 5 ketchups por causa do gosto de geladeira. 

Quanto? R$8,90 o pedaço. Não é tão caro, visto que você pode pagar 15 reais numa fatia que não é lá essas coisas.
Onde? Em qualquer Starbucks. Em São Paulo, basta fechar os olhos, dar 10 passos e você estará em uma loja (ou vai esbarrar em algum cidadão gay de cabelo raspado dos lados). Ou então você pode encontrar a loja mais próxima aqui, mas não vai se divertir tanto quanto no primeiro método. Cacete, como eu estou escrevendo hoje!

Photobucket


Eu nunca achei que algo tão simples fosse render tantos posts, mas a diferença de um pra outro é tão gritante que eu acho que ainda vai ter mais. Conhece algum cheese cake decente, ou péssimo? Sugira!

7 de abr de 2013

Rock & Ribs - Carolina Strips

Não é novidade nenhuma que o Outback é tratado por brasileiros como o melhor e mais sofisticado (!) restaurante do mundo. Evidência disso é o caso do Daniel Outback. Eu mesmo já resenhei as famosas batatas e a ainda mais famosa costela deles. Também não é novidade que brasileiro não sabe que o menu da casa tem outras opções além das citadas acima, adicionando a Bloomin' Onion.

Daí o que que acontece quando algo tá hype demais? Surgem alternativas parecidas. Por exemplo, um restaurante fast-food com menu equivalente. Porque nem todo mundo está a fim de esperar três horas numa fila pra comer cebola frita no meio de muita, mas MUITA coxinhagem.

É aí que entra a Rock & Ribs, rede de restaurantes para praças de alimentação que se baseia no casual dining americano. Conheci faz um tempo já, comi a tal costela (tão boa quanto a do Outback, só que pela metade do preço), e até um macarrão com costela desfiada (olá, reaproveitamento de sobras!). Mas eu queria sair da zona de conforto e experimentar algo mais original do menu deles.

Foi aí que eu lembrei que a minha irmã havia comentado que ela gostou das Carolina Strips, que são tiras de frango empanadas. E o mais bacana é que você tem direito a três acompanhamentos que, segundo ela, vinham em demasia. Almocei lá ontem. Vamo lá?

Carolina Strips
O que são? Tiras de frango empanadas e fritas, com três acompanhamentos (purê de batata, onion rings e farofa com ovo e bacon) - há também como opções: arroz branco, feijão tex-mex, legumes cozidos, salada e fritas.

Havia QUATRO pedaços de frango no meu prato! Mas no final das contas é um pouquinho demais, porque os pedaços são grandes. E fritos, o que, quando você está lá pela metade do terceiro pedaço, te dá aquele enjôo de óleo (mas você pode tampém ser menos idiota do que eu e não pedir nenhum acompanhamento frito). Sobre as strips em si, são boas, mas poderiam ser melhores. A massa que empana, por exemplo, poderia ter um tequinho de pimenta do reino. Em alguns pedaços o frango estava macio e suculento. Em outros, estava seco. Nada do que reclamar da farofa e dos onion rings, que aliás são uns dos melhores que têm por aí (já falei que os do The Fifties são uma piada?). Agora, o purê. Eu amo purê de batata. E gosto daquele purê bem gordo, com adição de leite. E das outras vezes que eu comi no Rock & Ribs eu tinha enlouquecido com o purê deles. Era cremoso e saboroso. Ontem ele estava mais massudo e salgado demais. Espero que tenha sido um leve deslize de padrão.

Quanto? R$18,50
Onde? Rock & Ribs. (No site tem a localização das lojas)

Eu aconselho vocês a conhecerem a casa, que é decorada com álbuns de rock, e experimentar as diferentes opções que eles oferecem (tem umas do menu executivo que são daqui, ó.)

Photobucket


3 de abr de 2013

Tipo: Pão integral não é integral.


Comecei a prestar atenção nisso há alguns meses. A marca de pão integral que eu costumava comprar não estava disponível e eu comprei outra. Abri o pacote, peguei duas fatias, e notei que o miolo estava liso demais, diferente do típico miolo mais grosso, cheio de grãozinhos marrons do pão integral que eu conhecia. Aquilo parecia um simples pão de forma branco - só que marrom.

Como eu havia aprendido nas aulas de nutrição, a lista de ingredientes num rótulo segue uma ordem: do ingrediente em maior quantidade pro ingrediente em menor quantidade. Fui direto à lista de ingredientes e adivinha qual era o primeiro? "Farinha de trigo enriquecida com ferro é ácido fólico". Em outras palavras: farinha branca. Tinha um teco de farinha integral lá, sim, junto de, adivinha de novo o quê? Cacau. Yep. Tem tão pouca farinha integral no pão "integral" que eles colocam cacau pra que ele fique marrom. Cacau, que, inclusive, aumenta o valor calórico. E você só comendo pão "integral" na sua dieta, hein? E não é marca chinfrim, não. É Panco. Marca asiática. E, não negue, você confia cegamente nas marcas asiáticas (Hyundai é melhor que Fiat, Samsung é melhor que Apple, etc).

Pensei: Filhos da 売春婦! Nunca mais como pão deles. E continuei a comprar o pão preto da marca que eu sempre comprava: Wickbold.

Neste último sábado eu fui ao supermercado e resolvi comparar rótulos de diferentes marcas de pães integrais. Claro, há diferentes tipos de "integral" hoje em dia. Preto, Linhaça, Iogurte com cenoura (juro!), 7 grãos, 10 grãos, quantos grãos você quiser, e tudo mais. Mas todos eles têm em comum a palavra "integral", a mais desejada pelo consumidor em qualquer produto - exceto o leite. Então dá uma olhada nos ingredientes de diferentes marcas;

  

 

Tudo com mais farinha branca do que integral. Inclusive minha antiga marca favorita, Wickbold. E, como você pode colocar o mínimo que quiser de farinha integral e vender o produto como "pão integral", algumas marcas nem se dão o trabalho de dizer quanta farinha integral o pão leva. E, nas marcas que informam o quanto tem, note que a quantidade muda pra cacete de um pra outro. Na figura inferior à esquerda é 13%, na inferior à direita, é 3%!

Ou seja: você decide ingerir alimentos mais caros saudáveis e acaba comendo a mesma porcaria branca - só que marrom. E as empresas fazem isso deliberadamente, gastando o mesmo - ou menos - em um produto mais caro (pães integrais custam no mínimo R$5 por 300 e poucos gramas, na média) que elas gastam em um produto mais barato (pães de forma brancos custam, em média, por volta de R$3 ou R$4, por 500g).

Por quê? Porque nós somos trouxas. Ou éramos.

(Duvida? Dá uma olhada nos preços dos pães integrais e brancos no site do Pão de Açúcar. Inclusive, clique em cada produto pra ver a lista de ingredientes. E comece a chorar.)

A dica é, obviamente, olhar na embalagem e procurar produtos cujo primeiro ingrediente é farinha de trigo integral. De todos os que eu olhei sábado (em um Carrefour, hipermercado com uma puta variedade de marcas) somente um produto de uma marca passou no teste.


Pão integral original da Pullman. Que, inclusive, vem em 500g em vez de 300 ou 400.


Disponível nesta embalagem, caso você queira procurar. E eu juro que este não é um post pago.

Está dada a lição do dia, crianças: nada de pão branco marrom.

30 de mar de 2013

Receita: Ovo de Páscoa de colher



Tá aí uma ideia bacana pra Páscoa (que é só amanhã, então você ainda pode fazer). Eu me inspirei no fato de que muitas marcas de chocolate (ou nem tanto, como a Starbucks) estão vendendo ovos pra comer "de colher", ou seja: além da casca de chocolate, um recheio cremoso. Eu sabia que a experiência de trabalhar com chocolate é traumatizante, mas eu não queria nada além de cascas de chocolate pra encher com algo que eu adoro fazer, e, me desculpem, faço magistralmente: BRIGADEIRO. Como eu tinha quatro forminhas, resolvi fazer dois tipos diferentes: brigadeiro comum e bicho-de-pé, sabor morango. Mãos à obra?

Ovo de Páscoa de colher sabor Brigadeiro


Casca:
300g de chocolate em barra meio amargo
Formas para ovo de Páscoa (eu usei uma pequena, para ovos de 100g)

Derreter o chocolate em banho maria, aplicar alguma técnica de temperagem ao chocolate derretido (que vai deixá-lo na temperatura correta para ir às formas. Você pode despejá-lo sobre uma superfície fria e mexer com uma espátula, ou então deixar pedaços pequenos de chocolate em barra e adicioná-los, pouco a pouco ao derretido. De toda forma, o chocolate deve ser temperado até que, aos seus lábios, ele pareça frio.), e então, espalhá-lo em uma forma de ovo, formando uma camada fina. Levar à geladeira, preencher a forma mais uma vez, para que a casca fique numa espessura ideal e a maior parte do chocolate não vá para o fundo.
Desenformar pode ser meio chato. Mas você deve ter calma e cuidado. E eu quis fazer cascas meio rústicas, irregulares nas bordas. Se você quiser fazer mais bonitinho, será mais difícil.

Reservar.

Brigadeiro/Bicho-de-pé:
1 lata de leite condensado
1 colher de manteiga. Ouviu bem? MAN-TEI-GA. Diferente de "margarina"
3 colheres de chocolate em pó (para o brigadeiro) ou 3 colheres de mistura para bebida láctea de morango (para o bicho-de-pé).
Duas colheres de creme de leite.

Levar tudo (menos o creme de leite), em uma panela grossa, ao FOGO BAIXO e mexer sem parar até que se desprenda do fundo da panela. Muito cuidado pra não formar pelotas ou torrões. Principalmente porque no brigadeiro eles podem passar despercebidos, mas no bicho-de-pé, que tem cor mais clara, eles estragam bastante o visual.
Depois de frio, juntar o creme de leite.

Preencher as cascas de chocolate com o creme, e decorar. Eu usei chocolate (porque sobrou chocolate meio-amargo derretido, e eu tinha ganhado uma barra de chocolate branco *rolling eyes*), mas pode-se usar outras coisas, como confeitos ou raspas de chocolate, castanhas picadas, etc. Eu só não sou muito fã do chocolate granulado, porque além dele não ser nada além de açúcar, não acho que ele dá um visual bacana.


Obviamente você pode rechear o seu ovo com outros cremes, ou até outros primos distantes do brigadeiro (não vem com essa de chamar de brigadeiro disso e brigadeiro daquilo. Brigadeiro é um só). Aí vão algumas ideias:

- Cacau em pó em vez de chocolate. Ele fica mais amargo e dá aquela cara de chocolate amargo ~gourmet~ com uma porcentagem alta de cacau que os fabricantes inventam pra você achar que eles são legais.
- Creme de leite condensado: fazer o brigadeiro sem o chocolate em pó. Neste caso, adicionar uma gema.
- Creme de caipirinha: esse foi um amigo meu que me deu a ideia. Você faz o brigadeiro sem o chocolate, mas com 50ml de cachaça, e depois adiciona raspas de limão. E manda um abração pros meus amigos que estão no AA.
- Mousses: de chocolate, chocolate branco, maracujá, limão, e etc.
- Sorvete. Qualquer um que combine com chocolate (o que exclui completamente os frozen yogurts da vida). Só não me esquece de manter no freezer até servir.

Fez? Curtiu? Amou? Odiou? Tem ideias melhores? Comenta!

... e Feliz Páscoa!

(Que saudade de escrever receitas aqui! /o/)

28 de mar de 2013

Café da manhã no Bob's

Primeiro de tudo:  Voltei! Inclusive, eis uma sugestão do que ouvir enquanto lê esse post:



E mais, este é o post número 200! EEEEEEE!!! *O*

Além disso, você bem que podia curtir a nossa página no Facebook né? Também agora você pode comentar nos posts através da sua conta do Facebook! Sem contar que qualquer pergunta pode ser enviada pelo Ask.fm do blog.

Agora vamos falar de coisa boa?

Gente, a iogurteira Top Therm... (alôca)


Vocês sabiam que o Bob's agora tem um menu de café da manhã? Nem eu. Fiquei sabendo ontem quando, depois de uma aula na Avenida Paulista, eu estava pensando em onde eu poderia comer. Eu estava até considerando ir de novo à Galeria dos Pães quando eu passei pelo Bob's e vi propaganda de um menu de café da manhã. Me animei não só com a possibilidade de mais uma resenha descendo a lenha na rede de fast-food (já que toda vez que eu comi lá eu saí amargamente arrependido), como também com a possibilidade de finalmente eles venderem algo que presta além dos milkshakes.

Das opções que eles oferecem pro menu (pão de queijo, misto quente, sanduíche de queijo com banana... sim, queijo com banana.), a que mais me interessou foi um sanduíche chamado Matinal.

Matinal

O que é? Pão tipo biscuit, presunto, queijo, omelete e bacon. Pois é, lembra bastante o café da manhã do McDonald's.

Um ponto alto é que é um sanduíche grandinho. Uma boa opção pra quem come bastante de manhã (que é o meu caso, como vocês bem sabem). O bacon é ok, o presunto estava frio, o pão estava frio e murcho (mas quentinho ele deve ser gostoso), o
omelete também estava frio, e o queijo do Bob's é sem graça. Agora, a surpresa: o negócio veio frio, MAS... demorou pra ser servido! Ta-da! Expliquem essa, ateus.
Ah, sim. O combo vem com suco médio, da Del Valle. Eu escolhi o de limão e tive que tomar meio litro de Tang. Foi puxado.

Quanto? R$8,50 (sanduíche + "suco")





Vale dizer que o menu de café da manhã está presente somente em algumas lojas Bob's (não sei quais, já que nem no site deles tem informação sobre). Eu comi esse na loja da Consolação, que fica no número 1904 da Avenida Paulista. Vale também dizer que se continuar nessa qualidade, o menu de café da manhã estará presente por tempo limitadíssimo. That's it.

(ADOREI voltar logo de cara com uma resenha ruim? Que venham muitas!)